Energias Telúricas – Sagradas ou Vilãs?

O portal Bolsa de Mulher publicou uma matéria sobre Geobiologia, na qual fui uma das entrevistadas:

http://www.bolsademulher.com//familia/materia/Cuide_da_sua_casa/58677/1

As informações são todas corretas, e a matéria presta um bom serviço informativo. Só que o começo do artigo está um pouco alarmista, seguindo o tom dado pelo outro entrevistado. Mas aproveito para tecer aqui meus comentários sobre pontos da matéria dos quais discordo.

Antes disso, quero deixar claro que não pretendo atacar meu colega geobiólogo, que conheço há muitos anos de alguns congressos, nem a jornalista autora da matéria, que fez um excelente trabalho mesmo sem ter conhecimento prévio sobre o tema. Mas como blogs são exatamente o espaço que temos para expressar nossa opinião, aqui vou eu…

Minha principal restrição é quanto ao uso de termos como:

“O objetivo da Geobiologia é evitar que a casa fique doente”
“A função do geobiólogo é detectar o desequilíbrio e promover mudanças para eliminá-lo”

Eu preferiria dizer que o objetivo da Geobiologia é criar e promover ambientes saudáveis. Claro que uma das funções da Geobiologia é curar casas doentes, mas usar este ponto de vista como prioritário é como colocar um filtro que só nos deixa ver os aspectos ruins de uma situação.

Minha visão a respeito do meu trabalho não é essa. Eu não busco problemas; diagnostico uma situação completa, com aspectos favoráveis e desfavoráveis, com o objetivo de aproveitar o que tem de benéfico pra ajudar a melhorar o que tem de prejudicial.

“…adequar a planta às eventuais anomalias telúricas e geobiológicas…”
“Os pontos geopatogênicos provêm de lençóis freáticos, veios de água, fraturas ou dobras do subsolo e de grande quantidade de determinados minerais.”

É uma visão recorrente na Geobiologia mais “técnica” considerar todas as energias telúricas como anomalias ou potencialmente patógenas, simplesmente porque podem deixar as pessoas doentes. Mas as redes geobiológicas (Hartmann, Curry, Peyré…) e as ocorrências telúricas (veios d’água, falhas geológicas, chaminés cosmo-telúricas…) fazem parte da estrutura energética do planeta. Elas são, à semelhança do que define a medicina chinesa para os humanos, os meridianos por onde flui a energia deste grande ser vivo que é a Terra.

Estes pontos, ou zonas, não são nocivos em si. Eles podem ser usados para meditação, inspiração, e até cura física. Mas são pontos de força, com uma intensidade energética demasiadamente elevada para que o corpo humano possa suportar por tempo muito prolongado. É o desconhecimento de como estes locais podem ser usados em nosso benefício que cria a idéia de que “energia telúrica é nociva”.

Considerando que energia telúrica significa literalmente energia que vem da terra, fico imaginando como se sente nossa mãe Gaia ao nos ouvir falando que tudo que recebemos dela é nocivo. Que filhos mais rebeldes! Acho que está na hora de amadurecer e fazer as pazes com nossa mãe, aproveitando tudo de bom que ela tem a nos oferecer, sem medo. Acho que o mundo já está desequilibrado demais pra gente ainda pintar um quadro alarmista, em que as pessoas começarão a ter medo de viver em suas casas, pensando que a Terra abriga tantos inimigos ocultos.

Para ilustrar melhor como esses pontos de força podem nos beneficiar, basta citar que todos os templos antigos (desde os pré-históricos), construídos pelos mestres de obras com conhecimento da arquitetura sagrada (de onde se originam os maçons), aproveitavam os cruzamentos de veios d’água e falhas geológicas para posicionar aí o altar ou a nave principal da igreja. Este fator, somado à geometria sagrada e à cosmologia usados na construção, eram os principais responsáveis por muitas das curas e transformações milagrosas obtidas pelos fiéis.

Os dólmens e menires pré-históricos se beneficiam destas energias para gerar um campo energético benéfico de grande diâmetro, que influenciava toda a região ao redor. Atualmente, os mestres da arte zahorí usam as pedras de compensação com objetivo idêntico, embora em menor escala.

Os chineses chamavam a esses meridianos de “veios do dragão” e ensinavam que não se deve feri-los, isto é, interferir em sua energia através de movimentos de terra e construções feitas em locais inadequados.

Mas estes meridianos da Terra estão sempre equilibrados? Verdade que não, como não estão sempre os meridianos de nosso corpo. E principalmente por culpa da ação humana inconsciente, descarregando na terra uma gama imensa de tóxicos, seja mais materiais, como as contaminações químicas, seja energéticos, como o eletromagnetismo e as microondas, ou até nucleares. Por isso, enquanto o paradigma dominante de relação com o planeta não for substituído por outro mais harmônico, precisaremos cada vez mais da geobiologia para restaurar o equilíbrio em nosso habitat. Mas sem perder de vista o objetivo primário de educar e esclarecer, para ajudar transformar a terra de má-drasta em mãe.

“A vida é muito frágil. Qualquer alteração entre os pólos energéticos cria desarmonias e doenças nos seres vivos”

Eu não acho que a vida seja assim frágil. Na verdade, considero que os seres vivos são muito resistentes, e embora o mal estar possa ser imediato, o corpo costuma levar anos, ou no mínimo muitos meses, para apresentar um problema físico decorrente de desequilíbros cosmo-telúricos.

E isso porque somos sujeitos a vários deles simultaneamente. O que noto na prática é que, mesmo que não consigamos um ambiente totalmente neutro, às vezes basta harmonizar um dos aspectos para que o organismo já consiga se recuperar satisfatoriamente, mesmo que continue exposto a alguns outros fatores nocivos.

Artigos Relacionados

Curso Online de Feng Shui Tradicional Chinês O Curso Online de Feng Shui do FSRC Brasil é a tradução oficial para o Português do Feng Shui Correspondence Course, do Mestre Joseph Yu.   É...
Obra ao Vivo – Parte 5 Nesta série de nosso blog, você poderá acompanhar, semana a semana, a execução da obra de reforma de um apartament...
Dicas de Feng Shui para 2017 Ano do Galo de Fogo Yin Conheça as Estrelas Voadoras Anuais de 2017 e veja as dicas do Feng Shui para harmonizar cada setor de sua casa este ano. &n...
Aline Mendes

About Aline Mendes

Arquiteta e mãe de três. Mestre em Feng Shui pelo Feng Shui Research Center - Mestre Joseph Yu. Geobióloga e radiestesista.

2 Comments

  1. Oi Aline, gostei muito da matéria “Energias Telúricas – Sagradas ou Vilãs”. Há algum tempo venho estudando o assunto e não estava conseguindo entender porque templos e lugares sagradas haviam sido construídos exatamente sobre locais de radiação telúrica se, praticamente, tudo que leio a respeito as tratam como nocivas a saúde humana. Tenho grande interesse no assunto e gostaria de mais informações sobre como utilizar de forma proveitosa a energia telúrica. Muito obrigado! Paz e luz!

    • Olá, José Francisco

      O corpo humano está “programado” para funcionar normalmente em zonas neutras. Áreas sobre alterações telúricas interferem no seu funcionamento, e podem causar problemas de saúde, caso a pessoa permaneça ali por longos períodos, dormindo ou trabalhando, por exemplo.

      Estas zonas alteradas podem ser aproveitadas para limpeza e reenergização dos corpos físico e sutil, desde que permaneçamos sobre elas por pequenos períodos.

      Quando se coloca um menir, ou se constrói sobre estes locais, a intensidade e o raio de ação desses pontos são amplificados, passando a funcionar como uma antena receptora e emissora. E, dependendo da qualidade da interferência humana, eles podem ser harmonizados e ter sua energia melhorada.

      A Geobiologia e a Arte Zahorí nos ensinam a identificar e qualificar estes pontos especiais. Caso você não tenha treinamento nesta área, use sua sensibilidade para tentar perceber como estes pontos te afetam.

      Sucesso na sua busca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assinar o Informativo